Carta aberta aos investidores em Startups

Carta aberta aos investidores em Startups
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp

O mercado financeiro está mais agitado do que o normal nessas últimas semanas e, basicamente, todo este cenário de aparente questionamentos e dúvidas se dão em função do perigo de combinar o pensamento de curto prazo com as decisões de investimento de risco em Venture Capital que é de longo prazo.

E este é o primeiro ponto que gostaria de destacar aqui, é claro que o atual momento do Venture Capital exige, no mínimo, mais observação e cautela. O que nunca foi ruim, pelo contrário. Na Bossanova, todos os nossos conteúdos e divulgações batem nesta tecla da consciência e entendimento quanto ao mercado de VC e seus desafios, bem como sobre retornos sempre dentro de uma expectativa mais conservadora.

Logo, minha primeira afirmação nesta carta aberta ao público geral, mas direcionada principalmente para os nossos co-investidores e investidores em Startups em qualquer estágio ou série são:

  • Não ter liquidez, no curto prazo, NÃO é um problema no investimento em Startup.
  • Taxa de JUROS ou taxa SELIC é uma coisa, IRR é outra.
  • Investimento alternativo deve ser feito apenas com uma pequena parcela do seu patrimônio
  • Dificilmente você terá algum retorno do seu investimento antes de 3 anos.

Dito isso, as próximas observações são consequências deste entendimento. Se a liquidez é um recurso e não um “problema”, a perspectiva e seu nível de consciência se expande. E quando se trata de longo prazo, e dos fundamentos do investimento em Startups, as oscilações do mercado em uma análise macro, praticamente não deveria afetar ou mudar a sua decisão sobre esta modalidade de investimento.

No dia 19 de maio a carta da YCombinator divulgada, e que tem obtido repercussão no ecossistema, foi escrita de forma oportuna e inteligente que serve de alerta aos founders alertando para em resumo “Se preparem e planejem para o pior”, com base em uma onda de medo e pessimismo nos Estados Unidos. E o eco geral é que isso reflete e se expande também para a América Latina.

A questão é a realidade de um mercado na América Latina que, ano após ano, tem batido seus próprios recordes com resultados que fundamentam este meu raciocínio. Só para ter uma ideia, segundo a LAVCA no primeiro trimestre de 2022 foi investido na América Latina 2.7 bilhões de dólares em Startups, ou seja, 67% a mais do que o primeiro trimestre de 2021.

Ahh João, resultado passado não garante o futuro. Claro que não, e passa por aí mesmo, de fato pode existir uma escassez no investimento em Startup, e por isso, todos nós devemos ter mais prudência nos nossos investimentos. Prudência sempre, parar por medo, nunca.

Explico: se estivermos falando de Startups mais later stage, certamente as rodadas maiores devem ficar mais difíceis e lentas. E, por isso, os unicórnios e as grandes empresas de tecnologia se desesperam na urgência para equilibrar o caixa e ajustar time, ou seja, essas startups que tinham foco na abundância contavam com estruturas inchadas, grandes números de clientes e custos fixos mais altos. Por outro lado, startups que sempre estiveram focadas na geração de caixa e em pagar suas próprias contas não vão ter problemas para passar por essa fase de ajustes.

Esta minha carta é um esclarecimento em resposta não apenas a carta da YCombinator, mas principalmente para alertar e mostrar aos investidores que diferente do “caos” que boa parte dos conteúdos divulgados tem focado em apresentar, os últimos acontecimentos vão servir apenas como indicadores e mostrar boas oportunidades de investimentos, assim como as boas startups vão continuar sendo boas (com equipes completas, com controle e gestão), talvez com valuation menores e mais próximos da realidade o que, de novo, não tem nada de ruim.

Investidores atentos e seguros dos seus passos vão continuar investindo para diversificar e ampliar suas carteiras e retornos, o poder do equity nunca fez tanto sentido. Minhas 10 considerações e constatações sobre o atual cenário do Venture Capital mundial, são:

  1. Do lado dos investidores, o status é de cautela, mas o foco deve ser no fato de que ainda existe liquidez no mercado e muitos fundos estão captados, que agora toma uma postura de maior diligência para realização de seus deals e, provavelmente, veremos menos casos de múltiplos esticados e valuations surreais.
  2. Como reforcei ainda acima, o horizonte de investimento em Venture Capital é de longo prazo. E bons aportes que agora conseguem ser realizados em valuations mais ajustados e com um racional adequado, visando pelo menos três anos para qualquer evento de liquidez, irá refletir em um contexto em que provavelmente já teremos o mercado em um cenário mais otimista. Ou seja, aqueles que agora estão com caixa para investir, possuem a oportunidade de obter os melhores retornos.
  3. O comportamento dos grandes fundos (estágios série A em diante) devem mudar para menos deals em Startups com operações muito mais saudáveis e rentáveis. A tendência é que o ticket médio dos aportes também diminua.
  4. Investir em Startups é investir em EQUITY, em empresas de capital fechado, que não depende de oscilações, volatilidade e especulações. Depende unicamente do crescimento do negócio e seus próprios resultados.Investimento Anjo,
  5. Investir em STARTUPS é diferente de investir em Renda Fixa. Quando você Investe em Startups é seu dinheiro aportado em GENTE, em Capital Produtivo, para gerar renda, trabalho, impostos e desenvolvimento econômico, porém sem nenhuma garantia ou liquidez. Já investir em Renda Fixa, no Tesouro Direto, por exemplo, é seu dinheiro comprando um título do governo para financiar as dívidas públicas. No caso do título CDB, é emitido por bancos para captar recursos, com garantias e com seu dinheiro rendendo taxas fixas. Na prática, é seu dinheiro parado e improdutivo, sem esforço, como se você emprestasse com garantias para o Governo ou para o banco. Eu prefiro investir em ativo que dependem UNICAMENTE do esforço PRODUTIVO para crescer e não do ESPECULATIVO ou com base na volatilidade de fatores externos. Pra mim, este é o segredo para quem já compreendeu o Jogo do EQUITY.
  6. Para aqueles focados em investir para gerar ganhos e lucro rápido, Startup não deveria ser seu investimento.
  7. As startups em estágio inicial (Anjo, pré-seed e Seed) estão unicamente posicionadas para desenvolver um negócio sustentável desde o princípio, fazer mais com menos caixa e com respeito ao combinado com o investidor, essas sim podem multiplicar seu valor investido no médio/longo prazo.
  8. Do outro lado — das Startups, agora é a hora de buscar incentivar para que as investidas também se empenhem no seu “dever de casa”. Buscar o breakeven, segurar caixa para voltar a investir num próximo ciclo de crescimento, perceber que podem não alcançar o planejado e, certamente, boa parte das startups que precisarão de novas injeções de capital podem ser forçadas a encarar um down round, ou seja, aceitar um valuation menor do que a rodada anterior.
  9. Os investidores em Startups querem saber quem está realmente focado em construir negócios que resolvem problemas reais e geram valor. E isso nunca vai mudar. Desde que o mercado existe passa por ajustes que são naturais e consequências de movimentos e aceitação de quem o compõe.
  10. E, por fim, como alertou Pierre Schurmann sobre o assunto. Como consequência dos últimos acontecimentos, é bem provável que haja uma seleção natural dos empreendedores e um pouco de volta às origens do ecossistema de startups. O impulso historicamente era de mudar o mundo, buscar a disrupção. E para nós, isso confere um certo alívio, porque esses ajustes vão separar o joio do trigo.

Portanto, não existe CAOS ou “surpresa” para quem já fazia o certo! Este é um ajuste necessário.

Vamos continuar a investir e empreender.

Vamos continuar contribuindo com o desenvolvimento econômico do Brasil.

João Kepler — CEO da Bossanova Investimentos.jo

Compartilhe este post com seus amigos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email